Skip to content

Genesis, aka o novo desktop do Mamutti

19/06/2011

A dupla computador e Internet é para mim muito mais do que um hobby: é uma A ferramenta de trabalho e estudo. Quando meu primeiro notebook, um Compaq V6210BR, deu defeito há quase dois anos atrás corri atrás do computador mais barato do Brasil, na época um netbook, pois precisava com certa urgência de um computador e não dispunhamos de muita grana na ocasião. Se você leu o artigo do link já deve ter uma noção das inúmeras desvantagens de se ter um netbook como computador principal.

Depois que arranjei um estágio a coisa mais lógica a fazer com o dinheiro era correr atrás do computador que eu queria, sem me preocupar muito com quanto iria custar. Fui comprando as peças aos pouquinhos e, mês passado, graças a uma ajudinha (da minha namorada <3) consegui terminar de montá-lo. Acho que não faria muito sentido escrever sobre o computador como um todo, afinal qual a chance de alguém montar um desktop exatamente igual ao meu? Ao invés disso fique com um review das peças, por ordem de aquisição:

Kit Microsoft Wired Desktop 600

Microosft Wired Desktop 600

Acho irônico o fato de que é mais comum eu ouvir elogios sobre o hardware da Microsoft, que não deve dar nem 1/4 do faturamento da empresa, do que sobre o software. Pois os elogios são justos e necessários: o teclado e o mouse são muito bons. Junto com o kit veio um grosso manual em português falando sobre ergonomia, que obviamente não li e suspeito que até hoje ninguém leu aquilo, mas fico feliz por eles se preocuparem com os meus tendões (ou com os processos que podem sofrer, whatever). Ambos são USB, e juntos custaram R$54, um preço mais do que justo levando em conta a qualidade do conjunto. Só senti falta dos botões de avançar e voltar a música em reprodução, e da tecla com desenho de casinha no lugar da tecla com o logotipo do Windows. 😉

Monitor LCD de 21.5″ Full HD Samsung SyncMaster B2230

Samsung SyncMaster B2230

Antes eu pensava que um monitor de mais de 17″ era um luxo desnecessário, até que um dia tive a oportunidade de usar o IDE Eclipse num monitor de 22″. Aquilo foi um pequeno divisor de águas na minha mente! Não só dava pra usar o depurador sem ter de esconder nenhum painel como também podia criar novos painéis e ainda assim continuar a ver o meu código quase todo. De fato, o tamanho do monitor pode mudar totalmente sua forma de utilizar o computador, o que, no meu caso, teve um impacto extremamente positivo na produtividade. Pra você ter noção, cheguei a abandonar softwares que tinha usado durante muitos anos simplesmente porque seus painéis ocupavam espaço demais na tela de 8.9″ do netbook, e agora posso usá-los novamente, inclusive com outros programas dividindo o espaço da tela.

O monitor é muito bonito, e naquela parte transparente em baixo há um LED azul que acende quando ele está ligado, e como o plástico é transparente a luz se espalha pelos lados. No começo achei que isso ia incomodar, mas me enganei. O que incomoda mesmo é o fato de os “botões” de ajuste serem na verdade uma área da carcaça sensível ao toque que não tem iluminação; quando a luz está acesa é muito bonito de ver e usar, mas tente apertar um botão no escuro… só depois de muita prática pra acertar de primeira. Fora esse detalhe, tudo nele me agrada. Inclusive tem uma função ótima chamada MagicAngle, que me permite ajustar o contraste para poder assistir filmes deitado na cama sem precisar mover o monitor para um lugar mais baixo.

Ele possui entrada D-Sub e DVI. Apesar de na página da Samsung dizer que todas as entradas são analógicas tenho quase certeza que a saída DVI da minha placa de vídeo onboard só suporta transmissão digital, e ele está funcionando normalmente ligado a ela. Se você está pensando em comprar um monitor Full HD, o B2230 é o modelo mais barato que se pode encontrar e não fica devendo nada para outros monitores mais caros. Custou-me R$399.

Bem, já são quase três da manhã, e amanhã talvez eu não possa continuar este artigo. Então, seguindo a filosofia “release early, relase often” e como faz tanto tempo que eu não posto aqui, não vejo mal em quebrar este artigo em várias partes. ^^’ Fica para a próxima o gabinete, a fonte, placa-mãe, processador e tudo o mais.

UPDATE: Leia a segunda parte deste artigo!

Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. MLessa permalink
    15/07/2011 20:28

    Quebrar o artigo em partes… Isso me é bem familiar!! kkkkk
    Tá ficando ótimo o post cara. Pra resolver o problema da telinha do Windows do teclado faz igual a mim, cola um adesivo! =P

    • 23/07/2011 0:00

      É meio complicado colar um adesivo ali porque o logotipo está impresso em uma espécie de orb (similar àquela na barra de tarefas do Vista/7), o que dá um efeito bonito até.

      PS: beeem familiar…

      • MLessa permalink
        23/07/2011 0:44

        humm…. Sei como é. é uma pena, vai ter que ficar olhando pra essa janelinha ruim ai! kkkk

Trackbacks

  1. Genesis, aka o novo desktop do Mamutti – Parte II « iCaju

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: